Descrição geral dos tratamentos

TRATAMENTOS DE FERTILIDADE

Se o seu primeiro tratamento de fertilidade não funcionou ou se precisa de ajuda mais diferenciada para engravidar, há outras opções disponíveis para si. Os tratamentos de indução da ovulação (IO) e de procriação medicamente assistida (PMA) já ajudaram milhões de mulheres a terem um bebé.2 Pode encontrar aqui uma breve introdução sobre os diversos tratamentos de fertilidade disponíveis.

MITO

MITO: Fazer um tratamento de fertilidade significa que vamos ter gémeos ou trigémeos.

VERDADE: A probabilidade de um nascimento múltiplo depende de quantos embriões são transferidos. A maioria das mulheres dá à luz 1 bebé, cerca de 1 em cada 5 tem gémeos e 1 em cada 100 tem trigémeos.1

Indução da ovulação (IO)3

A indução da ovulação é utilizada para induzir a maturação e a ovulação dos folículos para que seja libertado pelo menos um óvulo. O óvulo pode então ser fecundado naturalmente no corpo, por meio de relações sexuais, ou através de métodos de procriação assistida como a inseminação intrauterina (IIU). 

Na IO, a mulher geralmente administra citrato de clomifeno para estimular o crescimento folicular. Se este método não for bem-sucedido, então a utilização de gonadotropinas como as hormonas folículo-estimulante (FSH) e luteinizante (LH) podem ser indicadas para promover o desenvolvimento e maturação dos óvulos.

Leia mais sobre Indução da ovulação (IO)

Tratamentos de procriação medicamente assistida (PMA) 

Inseminação intrauterina (IIU)

  • Espermatozoides de elevada qualidade são introduzidos na cavidade do útero, por meio de um cateter fino colocado através do colo uterino, para ficarem mais perto do óvulo facilitando assim a sua fertilização
  • Este tratamento garante uma sincronização precisa da colocação dos espermatozoides na cavidade uterina e evita os eventuais efeitos negativos do muco cervical no esperma, aumentando as hipóteses de fecundação

Leia mais sobre Inseminação intrauterina (IIU)

Intrauterine insemination

Fertilização in vitro (FIV)5

  • Após a estimulação hormonal da mulher, os espermatozoides e óvulos são colhidos, combinados e fertilizados no laboratório do centro de fertilidade
  • Os embriões viáveis que daqui resultem são então colocados numa incubadora para que se possam desenvolver adequadamente, antes de serem transferidos para o útero.

Leia mais sobre a Fertilização in vitro (FIV)

In vitro fertilisation

Injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI) 5

  • A ICSI é um tratamento que envolve a injeção de um único espermatozoide diretamente num óvulo. Este procedimento é diferente da FIV, que envolve apenas a união dos espermatozoides e do óvulo, ao invés de injetar diretamente o espermatozoide no óvulo. Algumas mulheres submetidas a FIV poderão ter de realizar também um tratamento de ICSI
  • ICSI pode ser indicada, por exemplo, se um homem tiver uma contagem de espermatozoides muito pequena, baixa motilidade espermática, esperma de baixa qualidade ou canais espermáticos bloqueados — ou em caso de utilização de esperma de um dador

 

Leia mais sobre Injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI)

Intracytoplasmic sperm injection

Transferência intratubária de gâmetas (GIFT)4

  • GIFT é um processo em que óvulo e espermatozoide é combinado no laboratório do centro de fertilidade
  • A mistura do óvulo com o espermatozoide é depois transferida para a trompa de Falópio da mulher
  • Isto permite que a fertilização aconteça dentro do corpo da mulher
Gamete intrafallopian transfer

Transferência intratubária de zigotos (ZIFT)6

  • ZIFT é um procedimento no qual os espermatozoides e os óvulos são combinados no laboratório do centro de fertilidade 
  • Após a fertilização, um embrião num estado muito inicial (conhecido como zigoto) é transferido diretamente para a trompa de Falópio da mulher
Zygote intrafallopian transfer

Diagnóstico genético pré-implantatório (DGPI)

Alguns casais correm mais riscos de ter um bebé com uma doença genética, seja por motivos hereditários, ou devido à sua idade.7 O diagnóstico genético pré-implantatório (DGPI) é uma técnica utilizada para testar as células do seu embrião relativamente a cerca de 400 condições genéticas para evitar que sejam transmitidas à criança.8

DGPI pode ser utilizado em conjunto com qualquer tratamento de PMA no qual os embriões sejam desenvolvidos no laboratório. 

Quem está envolvido e quando?

As informações que se seguem descrevem resumidamente quem e o que está envolvido em cada um dos processos sobre os quais acabou de ler:

Indução da ovulação

  • Clínicos envolvidos: ginecologista
  • Medicamentos envolvidos: citrato de clomifeno ou gonadotropinas
  • Nível tecnológico: nenhum
  • Custo do tratamento: muito baixo

Inseminação intrauterina

  • Clínicos envolvidos: Equipa de fertilidade
  • Medicamentos envolvidos: dosagem baixa de FSH
  • Nível tecnológico: baixo
  • Custo do tratamento: intermédio

Fertilização in vitro (FIV)/injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI)

  • Clínicos envolvidos: Equipa de fertilidade
  • Medicamentos envolvidos: dosagem elevada de FSH e/ou LH (individualizada de acordo com o diagnóstico prévio e necessidade de cada doente)
  • Nível tecnológico: elevado
  • Custo do tratamento: elevado

E a seguir?

Indução da ovulação (IO)

Descubra os medicamentos associados ao processo de IO

Ler mais
Tratamento de fertilidade para homens

Compreenda os vários tratamentos de fertilidade disponíveis para homens

Ler mais
Referências
Está a sair do nosso site.
Esta ligação conduz a um site onde a nossa Política de Privacidade e Termos de Utilização poderão não ser aplicáveis.

A Merck não tem controlo sobre os conteúdos e políticas de sites de terceiros ou os seus recursos, e não aceita qualquer responsabilidade pelos mesmos, nem por qualquer perda ou danos que possam derivar da sua utilização.

Por favor, verifique a Política de Privacidade e Termos de Utilização do site de ligação.